23 de junho de 2010

Era uma vez

"Annoucing Lightnings" - Tony Gutierrez


Era uma vez... por que será que todo conto de fadas começa assim? É simples. Porque ele conta uma historinha imaginária que aconteceu em outro mundo, um mundo cheio de heróis e vilões. Mas no fim acaba sempre tudo bem.
A história que vou contar não é nenhum conto de fadas por isso ela começa diferente:

Sua existência estava ameaçada. Olhava o futuro e nada via. O alcance de sua visão não ia longe. Não que tivesse esquecido quem foi um dia, onde nasceu, como cresceu, o que estudou, o que trabalhou até aqui. Para ele, não carecia lembrar de mais nada. O vácuo, o abismo já fazia parte do seu horizonte. Ele praticamente vivia como nos tempos pré-históricos: não pensava no passado, não tinha garantia de futuro, apenas sobrevivia a cada dia.
Isso é uma percepção real do dia-a-dia, de uma pessoa que vive enclausurado num presente contínuo, é sempre a repetição do mesmo, todo o tempo o tempo todo. Mas nem tudo está perdido.
Se ele adquirir o hábito da leitura durante algumas horas, que pode se prolongar por toda a sua vida. Isso porque ele não teve esse hábito na infância, onde todos começam a se interessar pela leitura numa história infantil que começa sempre com Era uma vez.

30 Mil comentários:

Lina disse...

A leitura amplia os horizontes, desse ser difícil ser limitado.
Bjs.

Ivan Bueno disse...

Valéria,
Que bom descobrir seu blog. Descobri lá pela Lara, no Teatro da Vida.
Adorei o texto, uma espécie de advertência, um tapa com luva de pelica (ando com isto em mente e até fiz um texto sobre/para o Saramago com este tema.
Já vou lendo e seguindo.
Beijo grande,

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Helcio Maia disse...

Era uma vez...alguém que não lia...mas via, sentia e, por isso, um dia, percebeu...

Troll disse...

E o quanto essas palavras lidas (ao invés de apenas ouvidas) não prometem, às vezes! Tantas outras, cumprem. *rs*

Ler é sim um exercício, e dos mais importantes. Daqueles que provam que a mente é talvez mais um músculo, e por isso precisa estar em movimento.

Por quantos "era uma vez..." já se perdeu cada um e por quantos mais não se vai perder, afinal. Não há paredes que contenham isso.

A maior diferença é apenas que a ficção tem mais "felizes para sempre" do que a realidade. ;-)

Manuela Santos disse...

Olá Valéria,
De facto a leitura dá mais mundos ao mundo é por aí que gosto de viajar!...
Beijinho,
Manuela

Santa Cruz disse...

Valéria; Você tem razão as Historias do meu tempo também começavam era uma vez, quando um ser humano se fecha no seu canto, não passada de uma pessoa antiquada ou mesmo da pre-historia, nós devemos ser abertos não termos medo de falar aquilo que somos e também de ouvir o que os outros nos tem para dizer,gostei da tua historia que não começou com era uma vez. por estes dias não devo postar nenhuma oração ou Poesia estou a passar uns dias com o meu filho e minha nora que vivem em Cascais minha nora é natural do Recife ai do teu lindo Brasil.
Um beijo
Santa Cruz

Vanessa Souza Moraes disse...

O Era uma vez salva nossos pulsos da faca, rss.

Franck disse...

Era uma vez um rapaz maranhanse que buscava sensibilidade e encontrou aqui, nesses morangos...
Lembrei de uma frase numa música da Marisa Monte: 'por isso eu pergunto a vocês no mundo, se é mais inteligente o livro ou a sabedoria'...
Bjs*

lis disse...

Oi Valéria
Gostar de "Era uma vez" quem ousa ? rs
É o momento que a imaginção flui suavenmente.
E nao podemos perder esse encantamento.
um abraço grande

Lily disse...

Ele precisa do "Era uma vez...". Só assim ele vai ver que a vida é muito mais que aquilo que nossos olhos alcançam! É necessário, é urgente o "Era uma vez...". Quantos sonhos não se realizaram após isso?
Bjs,
Ah! Boooom diaaa!
P.S.: você não é "morangos mofados", para mim não é, você é vento leve da manhã.

Lily disse...

Ah! Esqueci de comentar: Só você mesma, inusitado demais... "eu seria um urubu...".
Ótimo!

Cris de Souza disse...

Era uma vez um manifesto(de)lírico...
levanto essa bandeira!

Beijos, moça bonita*

Juan Moravagine Carneiro disse...

O multifacetado se torna cara vez mais raro e necessário...

abraço

Nine disse...

Aiaiai...
eu, que lia todos os cartazes na rua, desde a alfabetização,
desde cedo, sentia coçar por dentro, a fome incansável pelos livros...
Ainda bem!
Tenho orgulho de dizer, que não entendo nada de games, mas bem, se alguem quiser conversar sobre o Milan Kundera, ou o Franz Kafka, ou o Saramago, estarei apta a opinar!!!!
rsrsrs...
beijO

Roberta disse...

Nooosaaaa!

Achei sensacional o seu conto, de um fugir das ilusões e encarar a realidade.

Amei mesmo! Parabéns!

Pelos caminhos da vida. disse...

A leitura realmente abre os horizontes, já faz um tempinho que não leio nenhum livro, estou em falta comigo mesma.

beijooo.

Anderson disse...

Era uma vez e um bom pedaço de mim e sua historia que não é um conto de fadas bem mais ainda.
Quem sabe no futuro o final também.

OMNIA VINCIT!

[Ananda] disse...

Ler é essencial.Graças a Deus tive pessoas enchendo o saco vai ler...Comecei a gostar de ler com Harry Potter,é tão simples..não entendo as vezes,deveriam incentivo maior.

Elaine Barnes disse...

Puxa vida,me vi nele. Preciso ler mais! Montão de bjs e abraços

Lara Amaral disse...

As histórias sem "Era uma vez" não costumam terminar tão felizes.

Beijos.

Sr do Vale disse...

Há muitas palavras a serem lidas,
como há muita vida a ser vivida.
Assim como quem começa sempre uma casa pelo alicerse, pode não saber de como será o telhado, e tudo ruir.
Vamos então começar pelo fim, pela intenção, a racionalidade já era uma vez.

Gilmar disse...

O "Era uma vez" é o lúdico da aprendizagem. Tecer mundos imaginários era o que povoava nossa infância. E nesses mundos aprendemos valores, aprendemos dores, aprendemos amores.

O enclausuramento de si mesmo, num abandono letárgico, esse sim, causa horrores! Aí faltam sonhos, utopias que geram propósitos no vir a ser de cada um.

Abraços.

Tania T. disse...

E não tem nada melhor que o hábito da leitura...

Gostei do post, Valéria.

bjos'

*lua* disse...

Oi Amada, eu tardo mas não falho, puxa realmente não tinha chego meu post, enfim, Adorei o tema leitura, é fundamental este hábito para qualquer idade, haja visto em países de primeiro mundo, crinças de 2 e 3 anos adoram ganhar livros e mais livros de presente, um ótimo exemplo para nós que temos consciência praticar em nossa família. Outrossim, sempre me emociona o lado B; o sertanejo que não sabe ler e escrever, porém, detém a sabedoria de vida ligada a uma alma iluminada. beijos

Eraldo Paulino disse...

É preciso que se diga que o hábito da leitura não deve restringir-se a cavalgar nos labirintos dos verbos, e sim ler todo o reino ao nosso redor.

Ler é mais que um exercício, é um estado de espírito.... dgno de poetas, filósofos, críticos diversos, ou simplesmente, de pessoas livres.

Bjs!

Lunna Guedes disse...

Confesso a você que nunca me interessei pelas famosas histórias do era uma vez. Nem mesmo na infância. rs
Minha paixão naquele tempo era a mitologia. rs
Desde pequena eu já delirava. rs
Bacio

Joop Zand disse...

Hello Valeria

My compliments for your blog,
I like all the photo's very much.

greetings, Joop ( Hollanda )

http://jfotograaf.blogspot.com

Devir disse...

Era uma vez a piedade vasia
onde tudo ficava bem
e não tinha importância
acontecer tudo de novo.
Depois era uma vez novamente
quando a piedade vasia deixou de ser
e se tornou uma piedade cheia
horrores e medos e paranóias mas
como sempre tão obrigatória, e assim
era uma vez mais a própria piedade
então o rio se fez apenas aparência d'água
e nada que a continha fazia diferença
porque ninguém a tocava banhava-se admirava
nem sequer a percebia no suco cerveja sangue
então finalmente tudo até as flores
oram se tornavam de pedra ora de plástico.

Era uma vez inclusive beijos molhados...

Suzana Martins disse...

E quando não se lê, não se aprende e tudo era uma vez...

Talles Azigon disse...

nha já visitou o papéis

vai lá
papeisonline.blogspot.com

Postar um comentário